Experiência do Usuário: guia para garantir a UX na sua aplicação

Você certamente já ouviu falar sobre o conceito de experiência do usuário, mas será que você já o considera ao desenvolver suas aplicações?

Muito além da qualidade do produto ou serviço, a sensação que o cliente tem em relação a determinada plataforma faz toda a diferença se o objetivo é conquistá-lo. 

Neste artigo, além de entender o que é experiência do usuário, você vai conferir algumas dicas para proporcionar a melhor experiência e saber quais são os principais erros cometidos nesse contexto do desenvolvimento das aplicações. 

Se interessou pelo tema? Então, fique atento aos próximos tópicos. 

 

O que é experiência do usuário?

A experiência do usuário pode ser compreendida como a sensação que o usuário tem quando utiliza a sua aplicação.

Nesse sentido, precisam ser levados em consideração aspectos como a eficiência, a facilidade, a intuitividade e a diversão já na concepção do produto.

O conceito de experiência do usuário tem sido pensado nos mais diversos segmentos de negócios, tanto para produtos quanto para serviços.

Mas ele é especialmente importante quando se concentra em sites, aplicativos e softwares, ou seja, quando se aplica a negócios relacionados ao mundo digital. 

Isso acontece porque, nesses casos, a experiência precisa ser positiva desde o primeiro contato do usuário, já que é muito fácil que ele perca o interesse e substitua a aplicação por outra mais atrativa.

Além disso, como as pessoas passam cada vez mais tempo nos ambientes digitais, é natural que desejem solucionar diversas questões nestes ambientes da maneira mais simples possível.

Um site que tem o carregamento muito demorado, por exemplo, vai estimular os visitantes a fecharem a página e procurar o que precisam em outro lugar.

Outro fator que pode levar o usuário a desistir de determinada ação online é a dificuldade de encontrar o que ele necessita.

Assim, sites e aplicativos com layouts confusos e informações desorganizadas perdem muitos pontos. 

 

Uma boa experiência do usuário depende do seu público

Não há uma definição única ou um passo a passo generalizado para garantir uma boa experiência do usuário, pois ela depende das necessidades e expectativas específicas de cada público. 

Assim, um software muito intuitivo e usual para determinado grupo de pessoas pode parecer muito rebuscado e pouco inteligível para outro. 

Ou seja, é preciso ter em mente que o seu produto deve ser visualmente agradável e fácil de usar do ponto de vista dos seus clientes ou usuários. 

A chave para proporcionar uma boa experiência do usuário é descobrir o que ele espera daquela interação, quais problemas ele deseja resolver.

Obviamente, cada público terá expectativas diferentes em relação ao site ou software, mas existem algumas diretrizes que podem ser colocadas em prática para melhorar a experiência do usuário, sempre com base no conhecimento sobre o seu público-alvo. Vamos falar sobre elas no próximo tópico. 

 

Dicas para garantir uma experiência do usuário intuitiva e prazerosa

Agora que você já entendeu o que é experiência do usuário e como ela é importante para o desenvolvimento e o sucesso de uma aplicação, é hora de tomar atitudes práticas para proporcionar uma excelente experiência aos seus clientes

Confira os subtópicos seguintes:

 

Entreviste os usuários

A melhor maneira de saber algo sobre alguém é simplesmente perguntando. Quais são as expectativas do usuário em relação à aplicação? Quais funcionalidades ele gostaria que ela incluísse? O que ele procurou e ainda não encontrou? Qual padrão de layout o agrada mais?

Essas são apenas algumas das perguntas cujas respostas vão representar um avanço enorme na sua jornada rumo a uma excelente experiência do usuário.

É claro que cada um delas pode se desdobrar em muitas outras e muitas questões podem ser pensadas a partir do foco no seu público-alvo.

Mas o importante é que você tenha uma perspectiva real sobre os elementos necessários para conquistar os usuários.

É fundamental ter como foco da análise o ponto de vista de quem de fato vai usar o produto, além da experiência dos seus designers. 

Então, você pode, por exemplo, elaborar questionários e oferecer alguma vantagem, como uma planilha personalizada ou e-book para os usuários que o responderem. 

 

Esteja sempre a par das tendências

Estudar os padrões também é um ótimo caminho para compreender as expectativas gerais dos usuários. 

Com a clareza sobre as tendências desses estudos, você pode utilizar elementos que são facilmente reconhecidos pelos usuários, por exemplo. 

Dessa maneira, são maiores as chances de eles se sentirem familiarizados com a interface mesmo na primeira vez que a utilizarem.

Por outro lado, se você só segue as tendências e não abre espaço para a inovação em sua plataforma, corre o risco de sempre oferecer mais do mesmo e não satisfazer novas expectativas ou necessidades do usuário. 

Daí a necessidade de conhecer as tendências, mas só utilizá-las quando este for um caminho realmente estratégico para os seus objetivos. 

 

Compreenda o comportamento do usuário

Muitas vezes as entrevistas ou a análise de questionários respondidos precisam ser complementadas para que a melhor experiência do usuário seja atingida. 

Além das respostas do usuário a respeito de suas necessidades e expectativas em relação à aplicação, o comportamento dele durante a interação diz muito sobre sua experiência. 

Nesse sentido, você pode utilizar ferramentas de análise para coletar, medir, sistematizar e compreender o comportamento dos usuários.

 

Cative o usuário

A usabilidade e a parte técnica são muito importantes para a experiência do usuário, mas as mensagens ou palavras que você utiliza devem se aliar a elas. 

Em outras palavras, a experiência do usuário também precisa de humanização, ou seja, você deve evocar sentimentos e sensações positivos do usuário.

A escrita voltada para a experiência do usuário deve incluir palavras e textos que promovam uma conexão com o que o usuário sente.

Se você conhece o conceito de copywriting deve tê-lo associado a esta dica. Trata-se basicamente da arte de persuadir através da escrita, incluindo mas não se limitando às CTAs ou chamadas para a ação, de modo a incentivar o usuário a tomar determinada atitude. 

 

Tenha a interatividade entre suas prioridades

A promoção da interatividade é o melhor caminho para proporcionar uma experiência mais dinâmica e cativar o usuário. 

É nesse contexto que você deve recorrer aos conteúdos interativos, com materiais e recursos funcionais como tutoriais, infográficos, e-books, vídeos, calculadoras e planilhas. 

Esses materiais podem ser personalizáveis e se adaptarem ao comportamento do usuário. Assim, a sua página ou aplicação precisa ser bastante flexível.

Isso significa que ela deve passar por mudanças de acordo com as preferências indicadas por cada clique ou resposta dos seus usuários.

 

Não abra mão da clareza e da objetividade

Para que o usuário recorra à sua aplicação para alcançar determinado objetivo, você precisa fazer uma promessa a ele. 

Essa promessa é chamada de proposta de valor e corresponde ao benefício que você oferece para levá-lo a visitar o seu site ou utilizar o seu software. 

Por mais que seja tentador buscar atingir um público amplo e variado, é necessário focar no público-alvo que realmente será beneficiado com a sua aplicação.

Se não mantiver esse foco, você correrá o risco de criar expectativas que não serão satisfeitas e, consequentemente, não atingirá a excelência na experiência do usuário. 

Quanto mais abrangente você tenta ser na mensagem que vai passar ao seu cliente em potencial, maior o risco de não ser claro e objetivo.

Sua promessa precisa ser direta e não deixar dúvidas. Portanto, não tente impressionar o usuário com palavras técnicas ou bonitas que ele pouco entende. 

 

Recorra ao marketing de conteúdo 

A experiência do usuário começa no primeiro contato que ele tem com a sua solução, quando ele toma conhecimento da existência dela e não quando efetua uma compra ou começa a usar uma aplicação.

Nesse contexto, o marketing de conteúdo é um dos recursos utilizados com maior sucesso dentro do marketing digital.

Com ele, você alcança credibilidade e se aproxima do usuário, criando uma proximidade e um conforto sentidos por ele quando o assunto for a sua aplicação.

Assim, oferecer conteúdos sólidos e úteis irá motivar o usuário a continuar interagindo com o seu negócio.

Aproveite os conteúdos oferecidos para causar uma ótima impressão recorrendo a uma identidade visual que reflita o seu posicionamento. 

 

Proporcione uma navegação lógica e intuitiva

A sua aplicação precisa contar com uma interface de fácil entendimento, com um agrupamento lógico dos componentes por tipos que façam sentido para o usuário.

Além disso, a distribuição dos elementos na plataforma precisa dar destaque aos itens mais importantes de acordo com a sua promessa de valor e as expectativas do usuário. 

Em resumo, a interface precisa ser autoexplicativa e intuitiva, além de flexível e acessível através de diferentes dispositivos. 

 

Erros que prejudicam a experiência do usuário

Vamos ver agora quais são os principais erros que você não pode comentar quando o seu foco é alcançar uma boa experiência do usuário. 

 

Não priorizar o modelo mental dos usuários 

É o modelo mental que estabelece as expectativas do usuário em relação a determinado produto ou serviço. 

Portanto, ignorar esse modelo tem tudo a ver com a falta de conhecimento a respeito do seu público-alvo.

Como vimos, cada grupo de usuários tem expectativas específicas e uma plataforma perfeitamente intuitiva para um grupo de pessoas pode não ter o mesmo efeito sobre um outro grupo. 

O modelo mental é formado a partir das necessidades e das experiências anteriores e é por isso que você precisa conhecer os seus usuários. 

Ainda que você queira oferecer uma experiência inovadora, se as expectativas deles não forem atendidas, os resultados não serão favoráveis.

 

Oferecer conteúdos sem utilidade prática para o usuário

Os conteúdos irrelevantes, que incluem os pop-ups e o excesso de anúncios dentro de uma plataforma, podem afastar os usuários. 

Isso também pode acontecer com a utilização equivocada do marketing de conteúdo. Muitas vezes, o diferencial oferecido não tem nada a ver com as necessidades do cliente. 

Também é importante não exagerar nas chamadas para a ação. Elas são fundamentais, mas precisam ser posicionadas estrategicamente dentro da plataforma.

Caso isso não aconteça, o usuário ficará frustrado durante a navegação por conta de uma abordagem invasiva ou inútil.

Portanto, é importante repetir: o conhecimento sobre as dores e expectativas do usuário é a peça-chave para proporcionar uma boa experiência. 

 

Não estabelecer um equilíbrio entre a inovação e a usabilidade

As tecnologias digitais são excelentes ambientes para o surgimento de recursos e propostas inovadoras.

Ir além das expectativas e surpreender positivamente o usuário pode ser uma estratégia eficiente se você utilizar a inovação com critério.

Mas a inovação não deve nunca ser priorizada em detrimento da usabilidade. Em outras palavras, as plataformas precisam ser intuitivas e não um enigma para o usuário. 

Se você remover, por exemplo, um ícone que está presente em todas as aplicações do mesmo segmento e com o qual o usuário está amplamente familiarizado, ele se sentirá confuso. 

Então, não é preciso construir plataformas padronizadas, mas o equilíbrio entre usabilidade e inovação é fundamental.

 

Não contar com um layout responsivo

Mesmo que a sua aplicação tenha sido originalmente desenvolvida para ser utilizada em computadores, é importante focar na responsividade e adaptá-la para outros dispositivos. 

A maior parte dos acessos à internet no Brasil é feita através dos dispositivos móveis, mas são muitos os sites e softwares que ainda não possuem um layout responsivo. 

Em outras palavras, é preciso que os layouts se adaptem às visualizações através de telas menores. 

Quando isso não ocorre, a navegação não é satisfatória, o que afasta o usuário da aplicação. 

 

Experiência do usuário e segurança digital

A negligência com a cibersegurança pode ser considerada mais um dos erros fatais relacionados à experiência do usuário. 

Isso acontece por conta da ideia de que a segurança pode prejudicar a usabilidade. Um exemplo simples é a tarefa “chata” de ter que fazer login e utilizar senhas diferentes para diferentes aplicações em benefício da cibersegurança. 

Mas é uma responsabilidade dos desenvolvedores de produtos digitais proporcionar uma ótima experiência do usuário sem abrir mão da segurança.

E o primeiro passo para isso é ter em mente que se a segurança dos dados do usuário for prejudicada ou negligenciada no momento da utilização de uma aplicação, essa aplicação perderá a credibilidade. Por isso os dois fatores que dão título a este tópico precisam estar sempre unidos. 

O segundo passo é incluir as questões relacionadas à cibersegurança em todas as etapas de desenvolvimento do produto. 

Isso significa que a segurança não pode ser pontual. Ela precisa estar presente desde o início do projeto. 

Para saber mais sobre cibersegurança e como manter o seu site ou aplicativo protegido, leia: Site seguro: como ter certeza que meu site/app está protegido?. Até o próximo artigo!

Receba novidades:







    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *