O que é SSH: entenda tudo sobre esse protocolo de segurança

Bons protocolos são fundamentais para garantir que os sistemas de rede estejam seguros para todos. Essa é uma das funções do SSH, a sigla para Secure Socket Shell, que permite aos usuários o acesso e gerenciamento de seus servidores por meio da Internet.  

Mas, o SSH é bem mais abrangente. E, por isso, ao longo desse artigo iremos demonstrar seu conceito, funcionamento e quais as vantagens deste protocolo de segurança. Acompanhe a leitura.

 

O que é o protocolo SSH?

O SSH é um protocolo de segurança de redes. Seu papel é garantir que cliente e servidor possam trocar informações de forma remota e segura.

O processo desenvolvido pelo SSH criptografa os arquivos enviados a cada servidor. Dessa forma, as alterações e o envio de dados são mais dinâmicos e protegidos. 

 

Como funciona o SSH?

Como um protocolo de redes, todo o processo é no ambiente virtual. Todos os dados, informações e documentos são criptografados e enviados pelo usuário a um diretório de servidor de forma remota.

Essa atividade possui um eficiente mecanismo de autenticação que protege os dados de quem acessa (o usuário) e de quem está recebendo o acesso (o servidor).

O comando SSH possui uma forma padronizada de escrita, conforme explicaremos abaixo.

Padrão de escrita: ssh {user}@{host}

Mas, o que cada uma dessas três partes quer dizer?

  • Ssh: é a indicação de que o comando SSH está sendo utilizado, assim o sistema compreende que será aberta uma comunicação criptografada;
  • {user}: corresponde à conta de destino do acesso remoto, como usuário habilitado para mexer em qualquer parte necessária do sistema;
  • {host}: o servidor que deseja acessar, por meio de IP ou domínio.  

Pronto. Informações inseridas, basta pressionar ENTER. O sistema exigirá seu login e senha de acesso e após a confirmação dos dados, a janela remota do servidor referente à hospedagem abrirá automaticamente.

 

Para que serve o SSH?

O protocolo SSH é bastante utilizado por administradores de rede para gerenciar sistemas e aplicativos de forma remota e segura, ou seja, ainda que estejam longe de seus servidores, podem acessar e mexer nos sistemas virtualmente e em segurança.

O SSH possibilita, por exemplo, que o usuário mova arquivos, realize backups, delete documentos, e tudo isso de forma protegida, sem riscos de cair em mãos erradas, como cibercriminosos.

A tecnologia é executada por uma interface em formato de texto, que cria o acesso Shell, executa os comandos que são digitados e comunica usuário e servidor de maneira remota.  

 

Quais as criptografias usadas pelo SSH para garantir a segurança das informações?

A criptografia é um dos maiores benefícios do SSH. Com ela, o usuário pode se sentir realmente seguro para administrar suas redes, banco de dados, servidores ou quaisquer informações da conta de hospedagem.  

Existem três formatos de criptografia utilizados pelo SSH. Entenda cada um deles e suas especificações, a seguir:

 

Criptografia Simétrica

A criptografia simétrica utiliza uma chave secreta que é compartilhada no processo de codificação e decodificação de uma mensagem entre cliente e servidor, mas essa chave nunca é transmitida de fato entre eles, permitindo um compartilhamento independente, sem contato entre ambas as partes.

Uma chave simétrica é criada no com uma chave de mudança do algoritmo. Assim, todos os dados enviados são criptografados nesse processo.

Nesse modelo de criptografia, cada operação do SSH é específica e possui sua própria chave secreta  (token), com autenticação prévia para o acesso externo ou do servidor.

 

Criptografia Assimétrica

Enquanto a criptografia simétrica é baseada em uma chave secreta, a criptografia assimétrica usa duas chaves secretas separadas, tanto para o processo de codificação quanto para o de decodificação da comunicação entre o usuário e o servidor correspondente.

As duas chaves formam o par pública-privada, já que uma é conhecida como chave-pública e a outra como chave-privada.

Como o próprio nome já diz, a diferença entre ambas, que possuem o mesmo funcionamento, é que a chave-privada é restrita e não pode ser sistematicamente compreendida pela pública, enquanto a pública é compartilhada entre as duas partes.

Para entender melhor: o dado codificado pela chave-pública do servidor pode ser decodificado apenas pela chave-privada da mesma máquina, ou seja, as duas funcionam juntas e são interdependentes.

Também significa que o usuário que desejar, por alguma razão, descriptografar a mensagem, precisará estar de posse da chave-privada, já que a chave-pública não pode decodificar suas mensagens ou dados já criptografados pela chave-privada.  

 

Hashing

O Hashing envolve apenas o processo de codificação dos dados, mas nunca o de decodificação. Seu sistema unilateral também lhe rende o nome de One-Way Hashing.

E por que o Hashing atua dessa forma? Esse processo desenvolve um caminho único, de comprimento fixo para cada entrada, o que não sugere nenhuma brecha a ser explorada. Logo, a decodificação é basicamente impossível.

O SSH utiliza hashes (HMCA) envolvidos nesse processo para autenticação das mensagens. Isso é feito através desses códigos de autenticação que apenas o usuário tem acesso, não permitindo a manipulação do conteúdo.  

 

Vantagens do SSH

O mundo virtual é amplo e sabemos que existem muitas opções de protocolos de segurança. Mas, o SSH possui algumas vantagens em relação aos outros métodos, tornando-se o mais indicado, como veremos abaixo.  

Segurança

SSH é sinônimo de segurança. E esse é o motivo primordial pelo qual você deve aderir ao SSH. A criptografia utilizada por esse protocolo dificilmente será decifrada por outros usuários, já que os dados da comunicação são protegidos em sua essência. ]

 

Deploy de aplicações

Serviços de deploy também podem ser conectados por meio do SSH. Alguns projetos relacionados ao gerenciamento de versão com uso de Git, podem utilizar o SSH para a comunicação criptografada entre o repositório e o servidor.

Isso irá depender apenas das configurações do repositório, para que as modificações realizadas possam ser enviadas de forma automática e pelo protocolo SSH para o servidor de hospedagem que disponibiliza o site ou a aplicação na rede.

 

Agilidade na realização de tarefas

A agilidade na realização de tarefas é também um fator muito importante que o SSH dá acesso. 

É importante destacar que essa rapidez não está ligada diretamente ao protocolo, mas ao terminal de comandos que o protocolo permite

É possível administrar diversas funções por meio do protocolo Shell e executar tarefas como se estivesse pessoalmente utilizando o servidor, economizando tempo e recursos.

Agora que você já sabe o conceito de SSH, como funciona e o porquê é tão importante usá-lo em suas operações de rede, percebeu o quanto suas aplicações podem estar vulneráveis. Por isso, sugerimos o sistema do Insider para a gestão de vulnerabilidades de aplicações, garantindo que o ambiente virtual esteja sob o monitoramento de equipe capacitada, utilizando os melhores protocolos de segurança disponíveis no mercado. Clique aqui e faça um teste gratuito com quem é referência no assunto. 

 

Receba novidades:







    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *