SAST: entenda o Static Application Security Testing

O Static Application Security Testing (SAST), ou análise estática, é um teste de segurança que analisa o código-fonte para localizar vulnerabilidades que fazem com que os aplicativos da sua empresa fiquem suscetíveis a ataques. 

Pensando em prevenir possíveis invasões, o SAST cumpre a função de examinar um aplicativo antes de o código ser compilado, tarefa conhecida também como teste de caixa branca.

Acompanhe a leitura a seguir e saiba mais sobre a importância do método SAST para a proteção de informações!

 

Quais problemas o SAST resolve?

O SAST funciona bem no começo do ciclo de vida de desenvolvimento de software (SDLC), pois não exige um aplicativo funcional e pode agir sem que o código seja executado.

Ele ajuda o desenvolvedor a localizar vulnerabilidades bem no começo do desenvolvimento e solucionar problemas rapidamente sem atrapalhar compilações ou passar vulnerabilidades para a versão final do aplicativo.

As ferramentas SAST garantem feedback em tempo real aos desenvolvedores, à medida que codificam, ajudando-os a corrigir falhas antes de transferirem o código para a próxima fase do SDLC. 

A metodologia também fornece representações gráficas dos problemas encontrados, desde o início até o coletor. Isso ajuda a navegar pelo código com mais facilidade. 

Algumas ferramentas apontam a localização exata das vulnerabilidades e destacam o código arriscado, fornecendo orientações detalhadas sobre como reparar problemas e o melhor local no código para corrigi-los, sem exigir profundo domínio em segurança.

Com o Sast, também é possível criar relatórios personalizados, que podem ser exportados offline e rastreados através de painéis.

É importante reforçar que as ferramentas SAST devem ser executadas no aplicativo constantemente, durante compilações diárias ou mensais, toda vez que o código é analisado ou durante o lançamento de um código.

 

Quais são as principais etapas para executar o SAST de forma satisfatória?

Existem algumas etapas simples para executar o SAST com eficiência em organizações que possuem uma elevada quantidade de aplicativos desenvolvidos com diferentes estruturas, linguagens e plataformas. Veja quais são:

 

Finalize a ferramenta

Escolha uma ferramenta de análise estática que faça revisões de código para aplicativos escritos nas linguagens de programação que você usa. 

A ferramenta também deve compreender a estrutura subjacente utilizada pelo seu software.

 

Desenvolva a infraestrutura de digitalização e implante a ferramenta

Esta etapa envolve lidar com os requisitos de licenciamento, configurar o controle de acesso e de autorização, além de adquirir os recursos necessários (por exemplo, servidores e bancos de dados) para implantar a ferramenta.

 

Customize a ferramenta

Alinhe a ferramenta para atender às necessidades da empresa. Por exemplo, configurando-a para diminuir falsos positivos ou encontrar fragilidades de segurança adicionais, escrevendo novas regras ou corrigindo as existentes

Integre a ferramenta no ambiente de construção, crie painéis para pesquisar os resultados da varredura e crie relatórios personalizados.

 

 

Priorize e integre os aplicativos

Quando a ferramenta estiver pronta, integre seus aplicativos. Se você tiver um grande número de aplicativos, dê prioridade para a análise dos aplicativos de alto risco.

Todos os seus aplicativos devem ser integrados e verificados constantemente, com inspeções de aplicativos sincronizadas junto aos ciclos de lançamento, compilações diárias ou mensais e check-ins de código.

 

Avalie os resultados da pesquisa

Este estágio envolve a triagem dos resultados da varredura para eliminar falsos positivos.

Após o conjunto de problemas ser finalizado, eles devem ser rastreados e fornecidos às equipes de implantação para ser feita a correção adequada.

 

Ofereça governança e treinamento

A governança certa garante que suas equipes de desenvolvimento estejam usando as ferramentas de varredura de maneira adequada. 

Os pontos de contato de segurança do software devem estar presentes no SDLC. O Sast deve ser incorporado como parte do processo e implantação de seu aplicativo.

 

Qual a diferença entre o SAST e o DAST?

Diversas empresas questionam as vantagens e desvantagens de escolher um SAST ou um DAST. 

Porém, a realidade é que são soluções bem diferentes, indicadas para momentos diferentes, com benefícios variados e dentro do DevSecOps.

O Static application security testing (SAST) e Dynamic application security testing (DAST) são duas ferramentas muito importantes e usadas para localizar vulnerabilidades em um software, automatizando algumas barreiras de segurança e evitando que o fluxo de trabalho se torne lento.

O SAST deve ser utilizado mais no início e preferencialmente nos arquivos que possuem o código-fonte. Porém, o método não consegue identificar fragilidades que surgem com a aplicação em produção.

Em contrapartida, o DAST deve ser realizado com a aplicação rodando, em ambiente igual ao de produção

Porém, esse é um teste mais complexo, e as vulnerabilidades localizadas tendem a ser direcionadas para serem corrigidas somente no próximo começo do ciclo de desenvolvimento.

A seguir, destacamos mais algumas diferenças entre as tecnologias:

 

SAST

DAST

Usada para teste de segurança de caixa branca

Usada para teste de segurança de caixa preta

Age analisando o código-fonte, sem ser necessária a execução do código

Age enquanto o aplicativo está em execução

As vulnerabilidades são encontradas antes do desenvolvimento e são menos caras para consertar

Encontra problemas que não podem ser identificados em uma análise estática

Não consegue identificar problemas relacionados ao tempo e ao ambiente

As vulnerabilidades são encontradas após o desenvolvimento e são mais caras para consertar

É capaz de dar suporte a todos os tipos de software

Consegue identificar problemas relacionados ao tempo e ao ambiente

  

 

Por que o SAST é uma operação de segurança importante?

Nas organizações, a quantidade de desenvolvedores ultrapassa drasticamente o número de funcionários de segurança. 

Sendo assim, pode ser desafiador para uma empresa encontrar os recursos necessários para fazer revisões de código até mesmo em uma fração de seus aplicativos. 

Uma grande vantagem das ferramentas SAST é justamente a capacidade de analisar 100% da base de código

Além disso, elas são muito mais rápidas do que as revisões de código seguras manuais realizadas por humanos. Essas ferramentas varrem milhões de linhas de código em poucos minutos

A metodologia identifica automaticamente vulnerabilidades críticas como injeção de SQL, cross-site scripting, buffer overflows e outros. 

Pensando em prevenir possíveis ataques, o scan da Insider utiliza a tecnologia SAST (além de outras) para encontrar vulnerabilidades nos códigos de seus clientes. Entre em contato conosco e faça o teste gratuito!

Receba novidades:







    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *