Segurança de Dados: como estar em conformidade com a LGPD

Você já sabe que as tecnologias digitais são indispensáveis para garantir o bom desempenho de uma empresa, independente do porte ou segmento de atuação. E uma das áreas em que esses recursos precisam ser empregados é a segurança de dados.

As informações com que lida cotidianamente são um dos mais importantes ativos de uma organização e administrá-las com eficiência é um cuidado que pode consolidar um negócio e impedir prejuízos

Quando um gestor consegue lidar bem com os dados, ele otimiza seus processos internos e seus esforços de marketing e vendas.

Porém, se sua empresa segue o caminho da consolidação e do crescimento, é natural que a administração dos dados se torne mais complexa.

Isso porque, obviamente, os dados vão se multiplicando com o tempo e também porque existem diferentes tipos de armazenamento de dados.

Por outro lado, existem também os riscos relacionados aos ciberataques e ao vazamento de dados, que podem destruir a reputação de uma empresa e fazê-la perder muito dinheiro.

Enfim, lidar com dados é um grande desafio e é por isso que existe uma legislação específica para tratar das regras que as empresas devem seguir ao lidar com informações dos clientes.

A LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados) já está em vigor e é o dispositivo legal brasileiro que regula as atividades de tratamento de dados pessoais.  

É dentro desse contexto que surge a expressão “segurança de dados”, necessária tanto para evitar possíveis ataques quanto para organizar e gerir melhor as informações com que uma empresa trabalha. 

Por isso, hoje vamos falar de segurança de dados. Ao ler os próximos tópicos, você vai entender o que ela é e qual é a sua importância.

Como a segurança de dados está diretamente ligada aos tipos de armazenamento de dados que a empresa utiliza, vamos falar também sobre essa classificação.

Por fim, vamos listar algumas dicas para que a sua empresa se mantenha em conformidade com as regras da LGPD.

O assunto é extremamente importante. Por isso, continue a leitura.  

O que é segurança de dados?

Chamamos de segurança de dados o conjunto de métodos e ferramentas utilizados para armazenar, catalogar e acessar os dados utilizados dentro de uma organização de maneira segura.

Fazem parte dessas tecnologias, por exemplo, os softwares de gestão de dados, que organizam as informações e as preservam em uma sequência adequada para acesso futuro. 

São dois os grandes objetivos dos recursos empregados na segurança de dados. O primeiro deles é a garantia de disponibilidade das informações em um momento posterior mesmo que ocorram problemas de funcionamento dos sistemas ou interrupções no processamento de dados.  

O segundo objetivo diz respeito à proteção dos dados no sentido de que eles não sejam acessados por pessoas não autorizadas.

Ou seja, a segurança de dados visa a proteção contra ataques cibernéticos, que têm crescido vertiginosamente e ampliado suas linhas de ação.

Nesse contexto, podemos definir como integrantes da segurança de dados todas as ações colocadas em prática para proteger as informações que circulam pelos computadores. 

A segurança de dados é, portanto, tudo o que se utiliza visando resguardar as informações tanto de pessoas físicas quanto de pessoas jurídicas.

Existem diversos mecanismos e ferramentas colocados a serviço da segurança da informação, que tem sua fundamentação baseada nos princípios a seguir: 

  • Confidencialidade: somente as pessoas devidamente autorizadas devem ter acesso aos dados;
  • Integridade: as características originais dos dados devem ser preservadas, ou seja, os dados não devem sofrer mudanças por descuido ou más intenções, sobretudo quando se pensa nos ciberataques; 
  • Conformidade: o tratamento de dados deve seguir os regulamentos, leis e normas vigentes;
  • Disponibilidade: os dados devem ser facilmente acessados pelas pessoas devidamente autorizadas; 
  • Irretratabilidade: não deve haver possibilidade de negação de autoria de uma utilização ou alteração relacionada aos dados. 

A partir desses princípios, é possível tornar a segurança de dados uma tarefa prática dentro da sua empresa, recorrendo às ferramentas adequadas.

Mesmo que você gerencie um pequeno negócio e ache desnecessário um investimento em segurança de dados, certamente uma preocupação agora trará resultados muito positivos em médio e longo prazo.

Veja no tópico seguinte a importância de acrescentar essa missão aos processos e tarefas cotidianos do seu negócio. 

Por que é tão importante se preocupar com a segurança de dados?

Como vimos, quanto mais uma empresa cresce, mais complexos e numerosos tornam-se os dados que ela precisa administrar e maiores devem ser os cuidados relativos à segurança de dados.

Como é impossível que uma empresa funcione sem ter acesso aos mais diversos tipos de dados, é necessário que eles estejam seguros e disponíveis.

Sem a segurança de dados, não há garantias de que as suas informações serão confiáveis e precisas. E sem esses quesitos, a gestão de uma empresa também se torna imprecisa. 

Nesse caso, são grandes as possibilidades de perdas, alterações e danificações dos dados, ou seja, será muito difícil manter sua integridade.  

Mas quando há um investimento em segurança de dados, essa situação é evitada, os dados permanecem íntegros e é possível facilitar a acessibilidade a eles pelos colaboradores devidos e evitar sua utilização por pessoas não autorizadas.

Essa deve ser uma preocupação constante dos gestores, pois as ferramentas e procedimentos considerados seguros agora podem não ser confiáveis amanhã. 

Como os hackers aprimoram constantemente suas investidas, os sistemas de segurança de dados também precisam ser aprimorados constantemente.

Dados são muito valiosos e se as informações dos seus clientes, por exemplo, forem violadas, sua empresa terá sua imagem muito comprometida, além das consequências legais.

Em termos práticos, isso significa que os clientes e clientes em potencial não vão mais confiar em sua empresa para fornecerem seus dados e realizarem compras.

Com a queda nas vendas, a empresa terá menos dinheiro em caixa e será mais difícil investir em uma campanha de retratação ou recuperação de uma imagem positiva.

Legalmente, se algum requisito da LGPD tiver sido desobedecido, a empresa poderá, por exemplo, ter que pagar altas multas, entre outras penalidades. 

Isso significa que cuidar da segurança de dados do seu negócio não é apenas uma opção, já se tornou uma obrigação.

Os dados, como qualquer item valioso, precisam receber cuidados e proteção e estarem sujeitos aos procedimentos adequados para a garantia de sua integridade.

 

Quais são os principais tipos de armazenamento de dados para empresas?

A maneira com que os dados são armazenados varia conforme o tipo de tecnologia empregada, que são diversos e possuem, cada um, pontos positivos e negativos.

Contudo, de maneira geral, a maioria deles costuma se enquadrar em um dos dois grandes grupos chamados de DAS e NAS. Explicaremos cada um deles em seguida.

DAS

A sigla DAS significa “Direct Attached Storage” ou, em português, “Armazenamento Ligado Diretamente”.

Esse grupo inclui todos os armazenamentos que precisam de uma conexão física entre o hardware que guarda as informações e o dispositivo que faz a sua leitura

Sim, o seu HD é um dispositivo DAS, assim como os pen drives, SSDs, entre outros. 

Certamente, se você é um adepto do armazenamento em nuvem, já sabe que as tecnologias DAS são bem menos flexíveis e eficientes.  

Isso se torna mais visível quando o assunto é a distribuição da informação em larga escala. Você fica preso ao escritório para solucionar demandas que poderiam ser resolvidas em qualquer outro lugar. 

Mas esse tipo de armazenamento sólido não tem somente aspectos negativos e pode ser utilizado, inclusive, para promover a segurança da informação. Isso acontece nos casos em que há, por exemplo, algum problema na rede. Ou seja, nenhum tipo de armazenamento possui apenas aspectos negativos.

NAS

NAS é a sigla para “Network Attached Storage”, ou “Armazenamento Ligado à Rede”. Com esse tipo de armazenamento, muitos dispositivos podem ter acesso remoto aos mesmos dados.

Isso é possível porque o hardware que armazena as informações não tem conexão com aquele em que os acessos são feitos

Temos, nesse caso, uma centralização dos dados, o que pode ser um grande avanço para a administração dos mesmos pelos gestores de uma empresa. 

Trata-se de um tipo de armazenamento, portanto, muito mais flexível e escalável, mas requer cuidados muito maiores relativos à segurança de dados. 

Você pôde ver, portanto, que é inevitável recorrer a recursos como o armazenamento em nuvem, porém, será necessário investir em softwares de grande eficiência e criar regras referentes à administração de dados. 

O que você precisa fazer para ficar em conformidade com a nova legislação?

Veja agora algumas dicas que você pode colocar em prática nas rotinas do seu negócio para ficar em dia com a segurança de dados e em conformidade com a LGPD. 

Não colete dados desnecessários

Por muito tempo, ter acesso a uma quantidade cada vez maior de dados era considerada uma vantagem. Hoje não é mais assim. Até porque a LGPD determina que as empresas deixem claro para os clientes qual será a utilização de seus dados.

Ter acesso a dados é uma responsabilidade, por isso, só colete os dados confidenciais extremamente necessários.

As ameaças à segurança digital são muitas e você não quer que a reputação do seu negócio seja destruída, nem pagar altas multas e perder oportunidades de negócios. 

Então, analise e reestruture os seus procedimentos de coleta de dados. Faça também um relatório explicitando porque cada informação é necessária do ponto de vista da empresa.

 

Limpe os dados antigos e desnecessários

Como vimos, o acesso aos dados é uma responsabilidade. Então, sua empresa só deve reter os dados que forem úteis para os negócios.

Se a empresa tem que garantir a integridade de todos os dados que gerencia, o ideal é que ela só tenha sob sua responsabilidade os dados de que realmente precisa atualmente. 

Ao reduzir a sua base de dados, você também reduz as chances de ter algum problema relacionado a eles no futuro. 

Para isso, você pode utilizar um sistema de rastreio do acesso às informações. Assim, é possível arquivar os dados que não são acessados há muito tempo.

Como o volume de dados que uma empresa costuma armazenar é normalmente muito alto, é provável que exista algum servidor esquecido, que não tem nenhuma razão para continuar sendo mantido. 

Coloque os arquivos confidenciais em um local seguro

É claro que todos os dados com que você lida cotidianamente devem ter sua integridade mantida, mas existem dados considerados confidenciais e estes merecem ainda mais atenção quanto à segurança.

Nesse sentido, você pode criar critérios e implementar um sistema que classifique e tome medidas preventivas de movimentação desses arquivos específicos para um local seguro. 

Esse investimento é muito válido e vai diminuir consideravelmente o tempo em que os dados não ficam sob os cuidados e o controle adequados. 

Verifique o comportamento do usuário em relação aos dados

Também é interessante a implementação de um sistema que define perfis de comportamento dos usuários e cria automaticamente permissões que sejam condizentes com esses comportamentos.

Assim, você impõe limites aos danos causados por uma situação em que não há controle das concessões de acesso.

Você chega a esse ponto quando as conceções são estabelecidas sem critérios e os acessos são liberados à medida que são solicitados. 

Dessa forma, chegará o momento em que todos os colaboradores terão acesso a muito mais dados do que precisam para desempenharem suas tarefas. 

Essa situação é bastante comum e deve ser evitada para que sua empresa siga parâmetros em relação à segurança de dados e cumpra tudo o que solicita a LGPD.

Respeite a privacidade de dados

O que chamamos de privacidade de dados tem a ver com o acesso e a utilização adequados dos dados de acordo com a definição dos perfis de acesso. 

De certa forma, esta dica engloba os aspectos levantados em todas as outras. Dados não devem ser expostos à análise ou alteração de ninguém que não seja adequadamente designado para isso pela gestão da empresa. 

Um ótimo recurso para cumprir essa demanda é a realização de testes de segurança, além de uma minuciosa gestão de vulnerabilidades.

Outro aspecto que você não pode deixar de lado é o conhecimento da legislação. A LGPD precisa ser conhecida e suas regras devem ser colocadas em prática pela sua equipe. 

Mas é preciso lembrar também que atender ao que está disposto na LGPD não é o único objetivo direto da implementação da segurança de dados.

Ela está relacionada também à credibilidade e à reputação da sua empresa, bem como à necessidade de evitar os prejuízos dos vazamentos causados, por exemplo, por um ataque de hackers. 

Logicamente, uma coisa puxa a outra e um ciberataque vai desencadear um vazamento de dados que vai fazer a empresa descumprir o disposto na LGPD.

Então, a única solução é investir e se dedicar aos procedimentos de segurança de dados. E, já que citamos os ataques de hackers, você pode se informar mais sobre o assunto lendo nosso artigo: Tipos de ataque de hacker: conheça os 13 principais. Boa leitura! 

Receba novidades:







    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *