Site seguro: como ter certeza que meu site/app está protegido?

Garantir um site seguro, na realidade, depende de uma série de fatores, que variam, inclusive, de acordo com a modalidade do seu site. Um blog e um e-commerce precisam de dispositivos diferentes, por exemplo.

Por isso, existem diversas maneiras de oferecer esta segurança na web e é sobre isso que vamos falar hoje. 

Os perigos de um site ou aplicação vulnerável

Ataques e invasões cibernéticas podem ocasionar mais do que simples transtornos. Roubo de dados, quebra de confidencialidade, danos ao conteúdo são apenas alguns exemplos que configuram perdas patrimoniais que podem ser irreversíveis.

Por isso, a segurança de um site consiste em toda ação ou ferramenta adotada para evitar transtornos como, por exemplo, a exposição de informações confidenciais e ataques de cibercriminosos. 

Tais medidas visam a proteção do usuário, seja em compras on-line, leituras de blogs, em uma simples navegação ou até mesmo o host.

Além disso, se o seu site não é seguro, ele pode entrar na blacklist do Google, e isso pode ser muito prejudicial. Isso ocorre quando há um alerta de que seu site não é seguro. Assim, o Google pode removê-lo dos resultados de busca, afetando diretamente o ranqueamento, acessos e vendas. 

Isso pode acontecer caso seja encontrado qualquer malware na sua aplicação. Nesse caso, além de não aparecer nos resultados orgânicos, é mostrado um alerta que pode afastar os visitantes das suas páginas, como: “este site não é seguro”.

Vamos destacar agora os principais tipos de ataques cibernéticos, para que você os conheça. Depois disso, vamos te mostrar como garantir a segurança do seu site.

Continue com a gente!

Ataques DDoS

Esses ataques tornam a navegação do seu site ruim, refletindo em uma péssima experiência para o usuário. Podem travar completamente o sistema operacional ou deixá-lo lento, inviabilizando o acesso dos visitantes.  

Malware

Essaa é uma das ameaças mais comuns. Trata-se de um software malicioso, usado para distribuir spam, permitindo que cibercriminosos acessem o site, roubem dados confidenciais dos clientes, como senhas e documentos, entre outras coisas.

Explorações de vulnerabilidade

Vulnerabilidade nada mais é do que aquela brechinha, o ponto fraco do site. Um sistema que contém vulnerabilidades em seu código pode ser explorado por cibercriminosos para roubo de dados. 

Não é tão simples descobrir quando há uma vulnerabilidade em um código, mais adiante vamos te mostrar uma ferramenta que vai te ajudar (e muito!) nessa missão.

Desfiguração

Esse tipo de ataque pode não parecer tão grave à primeira vista, mas é um dos mais perigosos. Isto porque, ele é mais difícil de ser percebido e pode provocar um estrago enorme. 

O ataque substitui todo o conteúdo que você publicou por outro malicioso ou com linguagem imprópria, enviado pelo hacker. Péssimo, não é?

Como garantir que seu site estará seguro?

Pensar em um site seguro é fundamental para o desenvolvimento funcional de qualquer projeto web. Colocar um site no ar que atinja as expectativas – cada vez mais altas – dos usuários não é tarefa fácil, concorda?

Agora, imagina pensar no layout perfeito, boa usabilidade, e esquecer de deixar o site seguro? É como pensar no projeto de uma casa, desenhar a estrutura dos sonhos e se esquecer das fechaduras.

Não dá pra ficar contando com a sorte, né? Por isso, vem com a gente e salve essas dicas, porque elas irão te salvar!

1. Escolha uma boa hospedagem

O primeiro passo para um site seguro, com certeza, é escolher uma boa hospedagem

Existem muitas opções disponíveis no mercado, por isso, é importante prestar atenção em algumas regras básicas:

  • Certifique-se de que a empresa é idônea;
  • Busque reclamações on-line;
  • Verifique se a hospedagem possui suporte on-line;
  • Avalie os benefícios oferecidos.

O barato pode sair caro nessas horas, por isso, jamais avalie somente o preço. Buscar referências é sempre uma boa pedida. Fique atento!

2. Faça backups regularmente

Claro que a ideia aqui é evitar que seu site seja atacado por hackers. Mas, se acontecer, é bom que você tenha um backup recente dos seus códigos. Desta forma, não precisará começar tudo do zero, poupando muito tempo e esforço. 

Além de ataques ou bugs na plataforma, um backup pode ser útil em casos de atualizações que não saíram como o esperado. 

Há, inclusive, alguns serviços de hospedagem que fornecem essa possibilidade de forma automática.

3. Não abra mão do firewall e detector de malware

Programas de detecção de malware são essenciais para verificar a manutenção de um site seguro, a fim de evitar que operações malignas possam atingir o sistema, os clientes ou usuários.

O detector passará uma espécie de “pente fino” e irá avisar caso encontre alguma vulnerabilidade.

Já o firewall tem a finalidade de proteção. Atua para impedir possíveis ataques de hackers de modo ativo e constante.

4. Gerencie a permissão de usuários

Como assim? A permissão dada a cada usuário deve ser constantemente verificada e restringida. Essa dica é bem simples, mas valiosa ao mesmo tempo, principalmente para empresas que possuem um sistema de CMS (WordPress e Drupal, por exemplo).

Em sites em que muitos usuários ou funcionários precisam ter acesso, é possível administrar e limitar o acesso do usuário. Afinal, nem todo mundo que trabalha no site precisa ter acesso a tudo, permita somente que cada um acesse o que for necessário para o exercício da função.

Essa prática bloqueia uma brecha em sua segurança, ao não permitir que todos possam instalar ou modificar aplicações e códigos do sistema operacional do site.

5. Obtenha certificados de segurança

Esta dica é fundamental.  Quando falamos sobre site seguro este é o primeiro tema que vem à mente, afinal, o certificado SSL/HTTPS tem o objetivo de manter a troca de informação entre seu servidor e o navegador do usuário em segurança utilizando-se de criptografia.

No caso de e-commerce, esse certificado é recurso obrigatório. A adoção desse certificado, além de ser exigência da Payment Card Industry e da Data Security Standard (órgãos que regulamentam as transações on-line), auxilia nas vendas ao transmitir segurança e credibilidade ao usuário.

Atualmente, a segurança da informação tem ganhado importância junto às grandes empresas de Internet. 

Segundo informações do próprio Google, ter um site seguro é fundamental para o SEO. O buscador já está considerando um site com HTTPS como fator de ranqueamento do seu site.

Portanto, investir em um site seguro já não é mais requisito de sites de vendas. Sites de conteúdo também serão mais bem ranqueados quando mais seguros.  

8. Utilize programas e sistemas para detectar vulnerabilidades

Consideramos essa a dica mais valiosa de todas, e por isso deixamos para o final. 

Pense em uma doença grave. Câncer, por exemplo. Todos sabemos que é mais fácil se curar de um tumor maligno se ele é descoberto antes de ficar “grande demais” ou espalhar células cancerígenas por outros órgãos. 

E como descobrimos essa doença a tempo de ser tratada? Bom, indo ao médico regularmente, fazendo check-ups anuais e ficando atento a possíveis sintomas. 

O mesmo ocorre com a sua aplicação. Você vai mesmo esperar que haja vazamento de dados para aí então procurar uma solução? Não é a forma mais inteligente de atuar. 

Para avaliar os critérios de confidencialidade, integridade e segurança do seu sistema, é possível utilizar programas que façam essas análises. 

Explorar vulnerabilidades dos sites é um processo sistemático e importante para identificar brechas antes que hackers se aproveitem desses espaços. 

Para isso, recomendamos o Insider, que permite uma visão consolidada de segurança da sua aplicação, utilizando todo o poder das tecnologias de SAST, SCA e DRA combinadas em uma única análise.

Você vai poder gerenciar as vulnerabilidades encontradas, armazenar evidências e possibilitar o trabalho colaborativo na correção, além de conseguir visualizar o status de cada vulnerabilidade, podendo verificar se está resolvida, se é um falso positivo ou até mesmo um risco aceito.

O Insider permite ainda, entre outras funções, enumerar as fraquezas (CWE) que as bibliotecas possuem e analisar os riscos digitais.

Possuir um scanner de vulnerabilidade é uma importante garantia de que você não terá “surpresas desagradáveis” adentrando seu sistema. 

Perder dados é também perder dinheiro e credibilidade. Por isso, o Insider disponibiliza um teste grátis da plataforma e planos super acessíveis inclusive para pequenos negócios e startups. Para conferir ou tirar dúvidas, clique aqui.

Receba novidades:







    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *