A necessidade do teste de penetração no desenvolvimento de sistemas

A tecnologia de desenvolvimento de software está em constante evolução, com mais possibilidades e recursos o tempo todo, e, assim como a tecnologia avança, com maiores processamentos de dados, sistemas operacionais e sites são alvos cada vez mais frequentes de invasões.

As ameaças são diversas e, embora nenhum sistema seja integralmente imune às vulnerabilidades, podemos minimizar os danos de um possível ciberataque.

Para isso é feito o teste de penetração, ou pentest, que encontra as vulnerabilidades que um hacker encontraria, mas para reportar as brechas e corrigi-las.

Acompanhe este artigo e descubra o que é o pentest e como ele pode ser feito para proteger sua empresa.

 

O que é o teste de penetração?

Para realizar essa análise de vulnerabilidades, você pode encontrar profissionais que a chamem de “teste de penetração”, “teste de intrusão”, ou simplesmente de pentest, que vem do inglês penetration test.

Na prática, o pentest é um exercício de cibersegurança que simula um ataque hacker. Para isso, um profissional é contratado para tentar invadir os sistemas, identificando brechas para isso. 

Com a tentativa da invasão, esse profissional gera um relatório com as vulnerabilidades encontradas e a quais tipos de invasões seus sistemas estão vulneráveis.

Para realizar esse relatório, há alguns tipos de pentests que atendem necessidades diferentes. 

 

Pentest White Box

No Pentest White Box, o profissional tem acesso a todas as informações da empresa

Dados como área de atuação, principais serviços dos sistemas, acessos, hierarquia de funcionários, endereços IPs e tudo o que pode ser usado para facilitar esse teste de penetração.

Chamamos de White Box porque é um teste às claras, com todas as informações que um invasor poderia ter acesso antes do ciberataque.

 

Pentest Gray Box

Já no Pentest Gray Box, também são fornecidas informações privilegiadas, mas em menor quantidade e qualidade.

Esse é o teste com informações de “meio-termo”. Alguns dados básicos são fornecidos, mas o profissional não tem uma grande base para utilizar nos seus métodos de invasão.

 

Pentest Black Box

E, por fim, o Pentest Black Box é o que mais se assemelha a um ataque real, pois o profissional não conta com nenhuma informação privilegiada.

Esse é um teste realizado às cegas, com a exploração de brechas desde o primeiro contato com o sistema.

 

Pentest interno e externo

Além das categorias citadas anteriormente, os testes de penetração podem ser feitos de duas maneiras: interno e externo.

Os testes internos são usados, muitas vezes, para identificar vulnerabilidades em empresas que não contam com recursos externos, ou seja, quando não há formas de acessar qualquer dado da empresa sem estar no seu espaço físico.

Já para testes em sites e softwares que podem ser acessados externamente, são feitos os testes de penetração externos. Nesses casos, os profissionais não têm permissão para estar presente no prédio da empresa. Os testes são feitos, então, de forma remota.

 

Vantagens do pentest

O teste de penetração é importante para garantir a segurança dos sistemas, em sua forma mais completa possível. 

Nos casos de invasões hackers, um sistema que passa por pentest fica menos vulnerável a ameaças como:

Esses ataques são, basicamente, para obtenção de dados e danos em bancos de dados, além da inatividade dos sistemas. Tudo isso pode trazer sérias consequências, a curto e longo prazo. 

Em tempos de mais preocupação em segurança da informação e leis como a LGPD, manter seus sistemas seguros é imprescindível.

Como funciona o teste de penetração?

O pentest é feito em etapas, sendo todas essenciais para a realização do procedimento e do relatório ao final. O passo a passo de um teste de penetração consiste nas etapas listadas a seguir.

 

Planejamento 

Este é o primeiro passo do pentest, onde são definidos o escopo, os objetivos do teste e em qual modalidade ele será feito.

É nessa etapa que o profissional define se será um teste interno ou externo, white, gray ou black box, e qual é o objetivo final desse teste.

 

Coleta de informações 

A coleta de informações, ou information gathering, é uma etapa independente da categoria de pentest que será feito.

Esse é o processo de pesquisa do profissional, quando ele irá mapear informações sobre a empresa que podem ser facilmente encontradas.

As informações podem ser:

  • Ramo de atuação;
  • Sites, blogs e presença online;
  • Existência de filiais ou empresas associadas;
  • Serviços prestados;
  • Endereços físicos;
  • Nomes e e-mails de cargos importantes (como diretores e representantes).

Com essas informações, o “hacker” pode coletar endereços DNS e saber se VPNs são usados ou não.

 

Varredura 

Com as primeiras informações em mãos, o pentester dará início à varredura dos sistemas.

Nesse processo pode ser feita a Análise Estática, que inspeciona o código das aplicações e identifica como ele se comporta com as tentativas de invasão.

Outra análise feita é a Análise Dinâmica, que é realizada em um sistema em operação, que pode ser um site ou software que esteja on-line.

 

Acesso e enumeração de serviços 

É nesta etapa que o pentester coloca em prática as suas técnicas e ferramentas para realizar a invasão.

Com todas as informações coletadas, o profissional consegue obter o acesso aos sistemas e realizar os testes de invasão.

Após concretizar a invasão, que pode ser diversas vulnerabilidades diferentes, o profissional precisa manter o seu acesso.

Em um ataque hacker, é imprescindível que os sistemas de segurança consigam identificar e derrubar o acesso do invasor com rapidez e precisão.

Portanto, o tempo de acesso que o profissional pentester terá é uma das etapas mais importantes do teste de penetração.

 

Análise e reporte de vulnerabilidades

Após a realização dos testes, o profissional fará a análise dos resultados em um único relatório. 

Com este relatório é possível saber quais são os pontos fracos dos sistemas, brechas que podem ser portas de entrada para invasores e, o mais importante: como corrigir essas vulnerabilidades.

Portanto, os três pontos principais desse relatório devem ser:

  • Quais vulnerabilidades foram exploradas e como;
  • Quais dados foram acessados na invasão;
  • Por quanto tempo o pentester ficou indetectável.

 

Segurança além do teste de penetração

O teste de penetração nunca é feito sem a ajuda de outros testes de varredura de vulnerabilidades. Para isso, o profissional pode escolher por testes manuais ou automatizados.

O sistema Insider pode ser utilizado não somente nos testes de penetração, mas também no dia a dia de manutenção e monitoramento de códigos.

Para isso a sua empresa pode contar com análises completas, que incluem:

  • Análises estáticas (SCA e SAST);
  • Análises de riscos digitais (DRA);
  • Categorização CVSS (Commom Vulnerability Scoring System).

Seja para testes de penetração ou para ter um scanner de vulnerabilidades no dia a dia, conte com o Insider. Faça hoje mesmo o seu teste gratuito.

Receba novidades:







    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *